Notícias

Eventos

Entenda o que é PrEP

A Profilaxia Pré-Exposição de risco à infecção pelo HIV (PrEP), consiste no uso diário de antirretrovirais antes da exposição sexual ao vírus, como forma de prevenir e reduzir os riscos de infecção.

É uma combinação de dois medicamentos, o tenofovir e emtricitabina, em um único comprimido que impede que o HIV se estabeleça e se espalhe pelo corpo. Embora seja eficaz contra o HIV, a PrEP não previne contra outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e, por isso, as demais formas de prevenção não devem ser abandonadas.

Para quem é indicado

O uso deste medicamento é indicado para pessoas que possuem maior risco de entrar em contato com o HIV, como as que não tem o costume de utilizar preservativo nas relações sexuais, principalmente anais.

Os médicos prescrevem a PrEP para populações em situação de maior vulnerabilidade e que tenham práticas de maior risco para infecção pelo HIV, como por exemplo, profissionais do sexo, homens que fazem sexo com homens (HSH), transexuais, e quem não tem HIV e se relaciona com uma pessoa com o vírus.

Entretanto, não basta estar no grupo prioritário para aderir ao uso do PrEP, é necessária uma avaliação médica que irá definir se a pessoa exposta ao vírus está realmente em risco, após avaliar uma série de fatores.

Como funciona o tratamento

Antes de iniciar o tratamento, é necessário realizar exames para saber se o paciente tem HIV ou outras ISTs. Também é preciso checar o bom funcionamento dos rins e do fígado.
Se em todas as avaliações realizadas a pessoa estiver bem, poderá iniciar o tratamento preventivo.

Após a adesão, o paciente deverá fazer visitas regulares ao serviço de saúde para realizar exames de acompanhamento, visando garantir que o organismo esteja reagindo bem ao medicamento.

Vale ressaltar que, como em quase todo medicamento, a PrEP possui efeitos colaterais. Entre os sintomas, considerados passageiros, estão a dor de estômago, náuseas, alteração do ritmo intestinal e gases. Os considerados de longo prazo, estão o risco de perda óssea e alteração da função renal, por isso a necessidade de acompanhamento médico periódico.

Para mais informações sobre onde encontrar o tratamento, acesse o site do Ministério da Saúde e confira a lista.